SINDICONTAS/PR »
PEC 32

Notícias

Imagem

Cegos para o que mais importa

  • 18 de outubro de 2021

Matéria original / Imagem: VEJA de 20 de outubro de 2021, edição nº 2760 (https://cutt.ly/DRfdIXi)

O século XXI traz dois desafios fundamentais, os maiores que a humanidade já enfrentou. O primeiro é ambiental: todos os países, incluindo os maiores poluidores, sabem que ou bem o futuro será ambientalmente sustentável ou bem não existirá. O Brasil se destaca como a única exceção: nós ignoramos deliberada e olimpicamente a questão.

Ressalvadas as honrosas exceções de praxe, nossa visão é a mesma de séculos atrás: o progresso advém da exploração (e da espoliação) dos recursos naturais. Preservação ambiental e crescimento econômico são incompatíveis.

Essa visão predatória e obscurantista, dominante nas Forças Armadas, na esquerda tradicional, no centro fisiológico e em boa parte do empresariado, chega ao paroxismo no governo atual, para quem destruir o meio ambiente parece um fim em si mesmo. Às vésperas da COP26, subsidiamos combustível fóssil e fazemos manobras contábeis para ocultar o aumento da emissão de CO2.

Não vamos progredir destruindo a natureza. Mas vamos piorar a seca, reduzir a produtividade agrícola, prejudicar a produção de energia, perder as oportunidades da economia verde, sofrer sanções econômicas internacionais.

O segundo desafio é a nova etapa da revolução digital, ou Quarta Revolução Industrial, que apenas começou, mas terá um impacto tão brutal que mal podemos vislumbrar as mudanças que trará. Duas, entretanto, são óbvias e incontornáveis.

Uma mudança é a destruição em massa de empregos. A maior parte das profissões que hoje damos de barato desaparecerá. Motoristas profissionais, por exemplo, se tornarão obsoletos em dez ou quinze anos. Carros autônomos prescindirão deles. O Brasil tem 2 milhões de caminhoneiros. Oito milhões de pessoas serão afetadas — e o mesmo se dará em muitas outras áreas. Aplicativos como o Uber, que hoje servem de bote salva-vidas para desempregados, não mais precisarão de mão de obra. A outra mudança é o aumento da concentração de renda e da desigualdade social. Os empregos que sobrarem (ou forem criados) serão para pessoas altamente qualificadas e bem remuneradas ou para pessoas sem qualificação e mal remuneradas.

O segundo desafio o Brasil ignora literalmente. A maior parte dos brasileiros, aí incluídos políticos e empresários, nem sequer imagina o tamanho do problema que vai nos atingir. E nada faz a respeito.

Deveríamos estar investindo maciçamente em educação de ponta (o que já não seria fácil, visto que nosso ensino básico é uma tragédia), mas o governo vai na mão inversa, cortando bilhões do orçamento e vetando internet nas escolas. Deveríamos priorizar também o investimento em ciência e tecnologia, mas o orçamento da área, em queda há anos, foi fortemente reduzido no governo Bolsonaro e acaba de sofrer novo corte, de mais 690 milhões.

O violento impacto sobre emprego e renda tem potencial para gerar convulsão social, e muitos países desenvolvidos estão discutindo o que fazer a respeito. Aqui, onde a desigualdade já é acirrada e o potencial de ruptura é maior, o assunto inexiste no debate público.

O Brasil está cego para as duas questões mais importantes da modernidade.

 
 

 

   
  Compartilhar no WhatsApp  

Comente esta Notícia

código captcha
Assédio Moral
Fórum

Assembléia Online

Participe da democracia da qual o nosso Sindicato é feito.

Abaixo-assinados

Proponha e assine abaixo-assinados por melhorias na sua condição de trabalho.

Biblioteca do Servidor TC-PR

Sugira e confira os livros indicados para os servidores do TC lerem.

Estudos Técnicos

Acesse os estudos realizados pela nossa diretoria e pelos nossos associados.

Documentos

Acesse balancetes, cartas, acordos e demais documentos do nosso Sindicato.

Plano de Saúde e Previdência

Obtenha todas as informações necessárias para garantir a sua qualidade de vida.